terça-feira, 11 de dezembro de 2012

Destinos cruzados, pensamentos conectados e um desejo em comum. Ela não queria mais do que experimentar, sentir um toque novo ou uma saída no final de semana, até que isso começou a se repetir, outra e outra vez. Transformou-se em vício. Agora, sente a falta do seu corpo junto ao dele, de tê-lo em seu colo, olhar seus olhos e poder sentir aquilo tudo, intensamente; sentir seu corpo arrepiar ao seu toque, e se permitir sentir o mesmo; deixar que o som de sua voz tivesse efeito extremo sobre ela. Aquilo parecia tão certo. Ela podia afirmar, sentia-se inteiramente feliz, ouso arriscar, completa ao lado dele. Ele, dono de um jeito singular e um senso de humor incomum, arrancava sorrisos apenas com um olhar. Era tudo tão sincero. E amplo. Era doce e natural. E é nesse momento que é preciso ligar o estado de alerta, pois o destino sempre descruza os caminhos. O fez. Quilômetros os separam. Países. Mas os pensamentos ainda estão interligados. E a saudade é o que resta em comum.

quinta-feira, 3 de maio de 2012

Fênix

Te levantas, tira o pó sob esses ombros; vai desenferrujando-te , tentando, vai! E antes que ouse abrir a boca para lamentares do que se perdeu, coloca-te no teu lugar. Aqui, onde te encontras agora e não onde pensas estar. Abra estes olhos que tanto resiste, use-os para ver o que te é dado, o que tá em tuas mãos as quais tu custa abrir. Apalpe o presente, não deixe-o escapar, não da forma como tem deixado. Como sempre deixou. Pare de andar na própria sombra; permita-te ao menos uma vez experimentar por inteiro a fartura à tua frente. Joga-te! A tua coragem se reduz quando a afirma com palavras, mas é multiplicada quando é provada. Prove-a! Prove-a pra ti, os outros são os outros. Poucos são os que não pensaram antes de adentrar sem medo naquilo que acreditavam. Creia! E vai, tentando, mas vai! Ou fica, mas vai.