segunda-feira, 28 de junho de 2010

desabafo.

Tenho me reprimido, me contido, e, me enganado; tenho evitado falar, mas, meus olhos começaram a passar tudo o que está aqui dentro; além do mais, não tenho ninguém para me ouvir de verdade, ninguém que vá me entender, ou pelo menos, fingir que me entende e me dar a mão; tenho me sentido cansada constantemente, e me cansei de me cansar; tem doído muito, mais que o normal; o eco dentro de mim, lembra do quão vazia estou, vazia de sentimentos, vazia de sensações, vazia, completamente!
Me pergunto: Aonde foi que me perdi assim? Aonde foi parar a minha força? Aonde foi parar minha felicidade? E, como?! Como fui deixar isso acontecer? Como permiti que tudo o que eu tinha guardado fosse levado, arrancado assim dessa maneira? Já estou fraca - para não dizer, impossibilitada de seguir, por mais que eu me esforce, por mais que carregue no meu rosto um sorriso amarelo, dentro de mim só está o escuro em que me perco toda noite, todo dia; tento contornar a situação, amenizar, disfarçar, e, até negar, mas, já estou esgotada, de verdade; eu já não aguento mais essa falta de tudo, essa solidão, eu já não aguento mais não ter nada pra compartilhar, nem ninguém, não aguento mais essas páginas em branco, estou andando sem me mover, estou sorrindo com lágrimas, estou completa de nada/vazia de tudo; eu não estou aqui, eu não estou, eu não sei mais, não sei o que sei, nem o que quero saber, estou enlouquecendo, estou me perdendo cada vez mais; já não me reconheço; eu, eu só queria voltar a sorrir, mas, sorrir de verdade, sorriso de corpo inteiro, de alma, de coração; só queria saber aonde os deixei nesse caminho.

sexta-feira, 25 de junho de 2010

Contraditório, confuso, sem sentido e nem lógica, cansativo, desgastante, angustiante, obscuro, perigoso e desconhecido; é assim que vejo, é assim que sinto, e tudo me leva até você, de alguma forma.

terça-feira, 15 de junho de 2010

Vim com a certeza do que ia escrever hoje, era apenas mais um resumo desse capítulo sem fim que se tornou minha vida; mas, decidi sair disso! Claro, isso não é algo apenas opcional, afinal, não é de "uma hora pra outra" - mesmo que, essas horas tenham se prolongado por alguns anos - mas, decreto que, vou buscar a cura desse meu vício; vou ir atrás de um tratamento que me tire essa necessidade tua, essa busca inútil pra reencontrar teus braços, pra sentir teu cheiro, parar em teus olhos, esses, que, por tanto tempo me enganaram; essa droga a qual tenho tomado doses e mais doses, hoje já me dão náuseas, e me fazem vomitar! Tenho ânsia de você e de tudo que me fez passar, ânsia de mim por ter sido tão tola, e, por, não me dar conta de que, continuo te esperando; decreto que esse é o fim, o nosso fim, de uma vez por todas! Cansei!

quinta-feira, 3 de junho de 2010

I may not have the softest touch
I may not say the words as such
And though I may not look like much
I'm yours
And though my edges may be rough
And never feel I'm quite enough
It may not seem like very much
But I'm yours (8'